segunda-feira, 5 de julho de 2010

Decifra-me ou te devoro



Após me desligar desse mundo louco, encontro-me contigo novamente nos meus pensamentos.
Nunca saberei até quando precisarei disso.

Acorrentei-me, e só agora percebi que perdi as chaves. É tudo tão real!
O que Freud explicaria?

Não me canso de ti, mas preciso que saiba jogar enquanto danço a música que sai dos teus dedos. Talvez por isso nos sinta tão ligados, não sei, me importo com você...

É estranho, assumo, mas sinto os teus olhos cravados em mim.
Eu digo tudo o que você precisa saber, mas você não escuta!
Não me pergunte como, mas é o que sinto.

Preciso do teu olhar... do teu sorriso, como também preciso sentir teu abraço protetor... E que estás disposto a cuidar do meu coração, como se fosse o teu... Preciso saber que estás aqui dentro de mim...

Ainda vivo, sem certezas, sem futuro e um passado ainda mais fluido que a água...

Mas preciso acima de tudo saber quem você é... mesmo que tantas vezes ao decifrar-te tenha que juntar os pedaços,e perder horas a fio tentando reorganizar minha mente...respirando um medo até então ausente na minha alma.

Você quer segurança? Eu também quero!
Necessito que me escute... que me entenda!

Como também preciso que me conquiste... que me tenhas...

Desejo apenas a ouvir o silêncio do momento acompanhado unicamente pelo som da nossa respiração... apenas por saber que estar pele a pele contigo me trará a calma que almejo a cada tragada.

O que fantasio contigo é tão meu...
Qualquer palavra pode estragar tudo, pode desencadear eventos caóticos, que irão fugir do meu controle...
Está de tal forma em mim, que por vezes sinto-me totalmente presa aos meus pensamentos...

Tento abstrair-me, tento não pensar-te, mas cada vez abro os olhos, apareces e acima de tudo... me confunde! Cheguei a me assustar por você não ter percebido como as palavras são importantes pra mim, o quão grande é denominar e explicar a sua mão que apesar de procurar a minha, quase não a toca enquanto caminhamos, como se unir nossas mãos fosse mera formalidade. Quanto de nós está escondido nas mãos inseguras enquanto nossos passos nos levam a mais algumas horas juntos?

E esse sorriso?
O que foi?

Faz algum sentido pra você?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Carpe Diem,Tempus fugit.