quarta-feira, 21 de abril de 2010

Estrela Cadente


Quase sem querer...
Foi que toquei seu ombro
Foi que mudei de assunto
Revirei meu mundo sem te encontrar
Como um espelho reflete tudo que te dou... Beijo ardente... Olhar safado...
Mais doce que a brisa fugida da prisão da tristeza, me liberta de mim mesma, do amor perdido...
Derreti em seus braços
Quase sem querer... Quase.
Ele é aquilo que é, simplesmente sorriso...

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Essa noite eu morri

Você traz esse medo, essa culpa de errar novamente.
Fica muito preocupado das coisas darem errado. Se tiver que tomar uma decisão, fica inseguro, angustiado. Pensa sempre no lado negativo. Fica com medo também de desapontar as pessoas, caso venha a tomar uma decisão errada, então deixa as coisas se resolverem, deixa elas chegarem a um ponto em que não precisa escolher, em que não se responsabiliza pelas coisas que acontecem.

Foge. Engana-se.

É como se estivesse caminhando no escuro. E está.

Parece fácil e você não consegue fazer as escolhas que precisam ser feitas, dizer aquele sim ou não que vai mudar tudo. Ou talvez esse medo se explique pela quantidade de mudanças que já ocorreram...
Pode rir... é muito engraçado acontecer logo com você que odeia mudanças.

Às vezes se agarra ao passado, se pega pensando no que teria acontecido “se”. O “se” te persegue, te impede de viver o agora. Revê o passado e percebe que tudo começou sua culpa: o sim ou não que mudou nossa vida drasticamente...
O pior é isso: Foi tudo culpa sua, e não dá pra consertar!
Você quebrou tantos cristais...

Se perdoar não é nada fácil. Aí você começa a pensar em soluções dolorosas, arriscadas, rápidas...
Impaciente que é.

Parece que já viveu o suficiente para ter a vida sob controle, mas não sente isso. Sempre a 300 km/h.
O que vai ser de você quando cansar?
Quem vai estar ao seu lado?

Você se perdeu no labirinto que construiu tão perfeito ele ficou que não há sequer uma rachadura nas paredes que diferencie qualquer corredor um do outro. Onde estão seus valores, sua ética, sua moral, sua liberdade.

Sinto-te sobrecarregado. Está acuado,mentindo por motivos banais pras pessoas que você ama.É um ator tentando agradar pessoas que não gosta, tentando ser alguém que não é, fazendo um papel insignificante. Vai mesmo morrer assim? Um simples figurante tentando obter um papel principal, tentando encontrar a chave que te liberte de si mesmo. Você se considerava tão prático, tão forte. É patético.

...você demora a decifrar charadas... Só queria que fosse mais fácil e indolor. Ou você dá um jeito ou eu dou, no fim vai dar no mesmo.

Pois é... Você sabe que tudo esta em suas mãos, adoro seu jeito tão particular de resolver as coisas, você é capaz de coisas cruéis e também de coisas amáveis, consegue renascer das cinzas e amar gente que não merece.
Você é humano. E eu até cheguei a duvidar disso.

sábado, 10 de abril de 2010

Ephémeros

Minha imaginação não conhece limites, é o único lugar onde sou totalmente livre
A quem estamos enganando?
Somos clichê
Somos rima
E som
Previsível repetitivo padrão.
Estranho, desigual, inédito, incomum .
Essa noite eu tive um sonho.. nem consigo lembrar direito
Mas parecia bem real
Você tem medo do que?
Até onde eu sei é só uma brincadeira...
...as coisas fluem..a gente deixa...
Só porque eu juntei a falta de bom senso ao quanto é bom estar perto...
Já não tenho noção de certo e errado..
Melhor não...
Porque nós gostamos de sofrer?
Ouço vozes.. Oposições internas, manifestas ou latentes, no mundo que criamos
Um mundo tão instável, frágil, perigoso....que vai acabar assim que o dia amanhecer
Não quero mais pensar no beijo que não queremos trocar

Você tem medo do que?
Tenho medo de mim
Então, não é questão de querer ou não querer.
Geralmente eu digo não quando não quero uma coisa...
Somos o que pensamos
Somos os impulsos a que cedemos
Desgastou-se e perdeu o sentido...
Aquilo que dura um só dia
Sou feita de carne, mas vivo como se fosse feita de aço.
(Alice Sales)

“Somos donos de nossos atos,
mas não donos de nossos sentimentos;
Somos culpados pelo que fazemos,
mas não somos culpados pelo que sentimos;
Podemos prometer atos,
mas não podemos prometer sentimentos...
Atos são pássaros engaiolados,
sentimentos são pássaros em vôo.”
Mário Quintana