quinta-feira, 17 de julho de 2008

Falar ou não falar,eis a questão.


Por que precisamos tanto das palavras?
Elas te dão segurança,
mas no fundo não servem para nada.
Um sem fim de significados.
Sabe aquela noite em que tudo o que acontece é em função do que se quer dizer e do que se quer ouvir?
Uma noite maravilhosa...abraços e beijos de amor não são suficientes,ela precisa ouvir,precisa que você diga alguma coisa,mas você acha que seus atos já provam o suficiente. A noite está acabando e ela ainda espera pelas palavras,você quer dizer,mas não sabe como e já passou o dia inteiro ensaiando,pensou no momento e criou expectativas quanto a reação dela,até que vocês se abraçam e você,sem olha-la nos olhos, diz: Eu te amo.

Que diabos vem a ser eu te amo?
Eu te tenho amor,meu amor é seu,eu ,amor, estou aqui...
Não sei, parece complicado e pouco confiável,
Fico impressionada como tudo muda por causa dessas “palavras mágicas”.
E tudo muda com o que é dito depois delas,então escolha com cuidado as palavras (olha elas aí de novo).

Se eu fosse chutar diria que isso acontece por causa da banalização das palavras.
A gente fala demais,acorda falando,passa o dia todo falando e ainda tem gente que dorme falando,aí as pessoas ficam sem assunto e começam a falar coisas pra “preencher” aquele vazio, como “eu te amo amor...ah!não esquece de levar o cachorro pra tosa.” E elas bagunçam tudo e fazem pessoas como eu ter que participar dos seus jogos de “vamos dizer tudo o tempo todo.” Todo mundo anda achando que é melhor dizer eu te amo no lugar de bom dia,porra é essa?
Será amor demais no mundo ou hipocrisia demais? Eu marquei a opção dois,o que me interessa são os atos e não palavras que qualquer brisa pode levar.

E o preconceito? Essa manhã eu fui tomar café na padaria,o atendente ficou sorrindo pra mim,e seu olhar dizia: diga alguma coisa,eu preciso ser amado! Então eu falei: Bom dia, um café e duas rosquinhas com canela. Vi a expressão de ódio naquele infeliz,eu pensei em correr,mas fiquei firme e forte. O atendente disse: “não tem mais rosquinha senhora.” Peguei meu café e já ia saindo quando chegou uma senhora e disse: “Bom dia, como vai você? Jesus te ama amado, e eu tambem!” e o atendente achou cinco rosquinhas de canela pra ela. Me entende? Estou sendo punida por não amar tanto quanto Jesus e essa maldita senhora amam.

Um exemplo de como uma palavra muda sua vida (e sua mente,quando você não surta):
Fica: Relação em que há beijo na boca,sem compromisso
Namorada (o): Relação em que se beija na boca regularmente
Esposa (marido): Relação em que não se beija na boca quase nunca.
As palavras mudam os relacionamentos o tempo todo.

Tudo o que eu quero é a leveza de um simples fica,a paixão dos namorados e o comprometimento dos casados.
Não preciso de uma palavra para ser feliz,pra me dar segurança nenhuma.
Isso é uma mera ilusão.
Eu sou o que sou sob qualquer circunstância, nenhuma palavra pode me definir ou me censurar.

Mesmo assim diz pra mim de novo: Meu amor, Eu te amo.

Um comentário:

  1. Às vezes, faltam palavaras pra gente mostrar um sentimento. Ou qualquer coisa parecida.

    Lindo texto Alice!

    ResponderExcluir

Carpe Diem,Tempus fugit.