quinta-feira, 31 de julho de 2008

Solidão a dois de noite

Hoje eu descobri que o amor sufoca,
doi,entristece,amarga,confunde
aborrece, tortura, comanda, contraria, decepciona,
desacata, denuncia, desgosta, desinteressa, desmoraliza, desorienta, despreza, detem, engana, entretem, humilha, desiguala, iludi,
ludibria, magoa, obriga, desorienta, prejudica, castiga, desconhece, repreende, desrespeita, responsabiliza, trai, transtorna, ultraja, ultrapassa, visita, vitima
principalmente sufoca.
*
Já não tenho certeza se isso é amor.
*
*

Ontem minha janela ficou aberta e entrou um vento frio,

acho que levou todo amor que tinha em mim.


quinta-feira, 24 de julho de 2008

Eu amo VOAR!


"Gosto dos venenos mais lentos,
Do café mais amargo,
Das idéias mais loucas,
Dos pensamentos mais complexos,
Dos sentimentos mais fortes!
Você pode ate me empurrar de um penhasco...
Que eu vou dizer: eu amo VOAR!”
(CLARICE LISPECTOR)

sábado, 19 de julho de 2008

Alice Sales


Hoje eu quero tudo que me traz medoEscutar velhas canções
Enfrentar meus fantasmas
Meus maiores medos!
Fumar um gudang sozinha
Beber um gole de rum
Chorar...

Pra eu saber que tudo isso esta em mim,mas não é tudo que eu sou.Eu estou errada,mas não vou morrer por isso.
É verdade,hoje foi quase.
Quase.
Aconteceu tudo de uma vez e quando eu achei que não ia agüentar me vi aqui ainda e melhor do que estava antes.

Voce esta enganada,eu gosto de ouvir a verdadePosso não fazer tudo do seu jeito.Devo pedir perdão?

Eu sou atriz,escritora,enfermeira, e mulher
Tenho amigos,opiniões, estou livre de qualquer preconceito e rótulo.
Meu nome é Alice Sales e não Maria Alice.

quinta-feira, 17 de julho de 2008

Falar ou não falar,eis a questão.


Por que precisamos tanto das palavras?
Elas te dão segurança,
mas no fundo não servem para nada.
Um sem fim de significados.
Sabe aquela noite em que tudo o que acontece é em função do que se quer dizer e do que se quer ouvir?
Uma noite maravilhosa...abraços e beijos de amor não são suficientes,ela precisa ouvir,precisa que você diga alguma coisa,mas você acha que seus atos já provam o suficiente. A noite está acabando e ela ainda espera pelas palavras,você quer dizer,mas não sabe como e já passou o dia inteiro ensaiando,pensou no momento e criou expectativas quanto a reação dela,até que vocês se abraçam e você,sem olha-la nos olhos, diz: Eu te amo.

Que diabos vem a ser eu te amo?
Eu te tenho amor,meu amor é seu,eu ,amor, estou aqui...
Não sei, parece complicado e pouco confiável,
Fico impressionada como tudo muda por causa dessas “palavras mágicas”.
E tudo muda com o que é dito depois delas,então escolha com cuidado as palavras (olha elas aí de novo).

Se eu fosse chutar diria que isso acontece por causa da banalização das palavras.
A gente fala demais,acorda falando,passa o dia todo falando e ainda tem gente que dorme falando,aí as pessoas ficam sem assunto e começam a falar coisas pra “preencher” aquele vazio, como “eu te amo amor...ah!não esquece de levar o cachorro pra tosa.” E elas bagunçam tudo e fazem pessoas como eu ter que participar dos seus jogos de “vamos dizer tudo o tempo todo.” Todo mundo anda achando que é melhor dizer eu te amo no lugar de bom dia,porra é essa?
Será amor demais no mundo ou hipocrisia demais? Eu marquei a opção dois,o que me interessa são os atos e não palavras que qualquer brisa pode levar.

E o preconceito? Essa manhã eu fui tomar café na padaria,o atendente ficou sorrindo pra mim,e seu olhar dizia: diga alguma coisa,eu preciso ser amado! Então eu falei: Bom dia, um café e duas rosquinhas com canela. Vi a expressão de ódio naquele infeliz,eu pensei em correr,mas fiquei firme e forte. O atendente disse: “não tem mais rosquinha senhora.” Peguei meu café e já ia saindo quando chegou uma senhora e disse: “Bom dia, como vai você? Jesus te ama amado, e eu tambem!” e o atendente achou cinco rosquinhas de canela pra ela. Me entende? Estou sendo punida por não amar tanto quanto Jesus e essa maldita senhora amam.

Um exemplo de como uma palavra muda sua vida (e sua mente,quando você não surta):
Fica: Relação em que há beijo na boca,sem compromisso
Namorada (o): Relação em que se beija na boca regularmente
Esposa (marido): Relação em que não se beija na boca quase nunca.
As palavras mudam os relacionamentos o tempo todo.

Tudo o que eu quero é a leveza de um simples fica,a paixão dos namorados e o comprometimento dos casados.
Não preciso de uma palavra para ser feliz,pra me dar segurança nenhuma.
Isso é uma mera ilusão.
Eu sou o que sou sob qualquer circunstância, nenhuma palavra pode me definir ou me censurar.

Mesmo assim diz pra mim de novo: Meu amor, Eu te amo.

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Sawabona Shikoba


Não é apenas o avanço tecnológico que marcou o inicio deste milênio.
As relações afetivas também estão passando por profundas transformações e revolucionando o conceito de amor.
O que se busca hoje é uma relação compatível com os tempos modernos, na qual exista individualidade, respeito, alegria e prazer de estar junto, e não mais uma relação de dependência, em que um responsabiliza o outro pelo seu bem-estar e felicidade.A idéia de uma pessoa ser o remédio para nossa felicidade, que nasceu com o romantismo, está fadada a desaparecer neste início de século.
O amor romântico parte da premissa de que somos uma fração e precisamos encontrar nossa outra metade para nos sentirmos completos. Muitas vezes ocorre até um processo de despersonalização que, historicamente, tem atingido mais a mulher. Ela abandona suas características,seus hobbies,seus divertimentos para se amalgamar ao projeto masculino e ao conceito da sociedade. A teoria da ligação entre opostos também vem dessa raiz: o outro tem de saber fazer o que eu não sei. Se sou manso, ele deve ser agressivo, e assim por diante. Uma idéia prática de sobrevivência, e pouco romântica, por sinal.


A palavra de ordem deste século é parceria.
Estamos trocando o amor de necessidade, pelo amor de desejo.
Eu gosto e desejo a companhia, mas não preciso, o que é muito diferente.
Com o avanço tecnológico, que exige mais tempo individual, as pessoas estão perdendo o pavor de ficar sozinhas, e aprendendo a conviver melhor consigo mesmas. Elas estão começando a perceber que se sentem fração, mas são inteiras. O outro, com o qual se estabelece um elo, também se sente uma fração. Não é príncipe ou salvador de coisa nenhuma. É apenas um companheiro de viagem. O homem é um animal que vai mudando o mundo, e depois tem de ir se reciclando, para se adaptar ao mundo que fabricou.
Estamos entrando na era da individualidade, o que não tem nada a ver com egoísmo. O egoísta não tem energia própria; ele se alimenta da energia que vem do outro, seja ela financeira ou moral.
A nova forma de amor, ou mais amor, tem nova feição e significado. Visa a aproximação de dois inteiros, e não a união de duas metades.E ela só é possível para aqueles que conseguem trabalhar sua individualidade. Quanto mais o indivíduo for competente para viver sozinho, mais preparado estará para uma boa relação afetiva. A solidão é boa, ficar sozinho não é vergonhoso. Ao contrário, dá dignidade à pessoa. As boas relações afetivas são ótimas, são muito parecidas com o ficar sozinho, ninguém exige nada de ninguém e ambos crescem.

Relações de dominação e de concessões exageradas são coisas do século passado.
Cada cérebro é único. Nosso modo de pensar e agir não serve de referência para avaliar ninguém. Nem sempre o nosso parceiro age do jeito que agiríamos na mesma situação. Muitas vezes, pensamos que o outro é nossa alma gêmea e, na verdade, o que fizemos foi inventá-lo ao nosso gosto. Todas as pessoas deveriam ficar sozinhas de vez em quando, para estabelecer um diálogo interno e descobrir sua força pessoal. Na solidão, o indivíduo entende que a harmonia e a paz de espírito só podem ser encontradas dentro dele mesmo,e não a partir do outro.
Ao perceber isso, ele se torna menos crítico e mais compreensivo quanto às diferenças, respeitando a maneira de ser de cada um.
O amor de duas pessoas inteiras é bem mais saudável. Nesse tipo de ligação, há o aconchego, o prazer da companhia e o respeito pelo ser amado.

Nem sempre é suficiente ser perdoado por alguém, algumas vezes você tem de aprender a perdoar a si mesmo...
(Autor desconhecido)

Caso tenha ficado curioso(a) em saber o significado de SAWABONA, é um cumprimento usado no sul da África quer dizer:“Eu Te respeito, eu te Valorizo,
você é importante pra mim”.
Em resposta as pessoas dizem
SHIKOBA que é:
“Então eu existo pra você”

terça-feira, 15 de julho de 2008

Desambiguação


Ele abriu os olhos, demorou a reconhecer o ambiente.
Sentou-se no sofá tentando assimilar a noite passada, passou as mãos no rosto, parou um instante fitando um porta-retrato dela em cima da mesinha.
Não tinha certeza do que estava sentindo.
Os beijos dela eram cheios de paz, de ternura, de amor.
Sentia-se um cafajeste.
Lembrou-se do problema que o levara até ali na noite anterior, naquele momento estava triste por algumas decisões erradas que havia tomado no decorrer da vida e pelos atos impensados daquela noite.
Tudo que sabia era o que havia sentido.
Tudo que ele viu naquela noite foi uma menina sexy, não conseguiu enxergar a amiga.
E agora nada mais importava, só cheiro doce que vinha da pele dela.
Isso no passado, na madrugada.
Levantou-se e segurou o porta retrato.
Era manhã de domingo, presente.
Ele achava que não estava sendo o melhor que poderia ser, que fracassara em todos os aspectos da vida, que deveria decidir o que realmente queria, assumindo as conseqüências. Sem medo de errar.
Porem lutava com sua consciência: não via futuro naquilo. Ele conhecia bem a personalidade dela. Ele queria alguém que voasse mais baixo.
Se punia por pensar assim. Ele tinha medo de arriscar, não se sentia seguro.
Sentiu raiva dela.
Voltou a senta-se no sofá, sua angustia aumentava enquanto revia tudo que havia acontecido. Pensava: “Como posso desfazer tudo isso? Como posso deixar de sentir?”.


Levantou-se e estava certo da decisão que iria tomar: “Vamos ser amigos... a gente esquece... todo mundo esquece. Assim que ela acordar vou agir naturalmente...
Eu não sei como vou agir”.
De repente ele sentiu uma vertigem, não sabia como iria olhar pra ela, em que tom devia falar, se devia tocar no assunto, se devia falar no que ainda sentia pela namorada.
Resolveu relaxar: “Ela é diferente das outras, aposto que nada disso vai abalar nossa amizade”.
Sentou-se no sofá.

Ela abriu a porta do quarto lentamente.
Ele não estava mais lá.
Respirou aliviada porque teria mais tempo pra pensar no que dizer, pra ensaiar expressões de indiferença.

Deixou seu corpo escorregar até o chão.
Precisava encontrá-lo. Explicar-se.
Chorou.
Estremecia apenas ao lembrar daquela noite...Sua respiração ofegante, o jeito como ele puxou seu cabelo e beijou sua boca.
Seu olhar provocante...
O beijo...o gosto de licor de menta.
1,2,3 orgasmos.


Paixão?
Não ousaria repetir isso nem diante do espelho.

Mais uma semana acabou.

Ontem choveu.
Outra semana.
Ela não sabia o que pensar, só sabia que ele havia voltado com a namorada. Não esperava outra noite de amor, apenas uma explicação, qualquer palavra que provasse que ele tinha alguma consideração por ela e pelo que tinha acontecido. Qualquer beijo de despedida.
...


Ela levantou cedo. Sentia-se muito mal.
Naquele dia ela recebeu um abraço, vindo de braços que não eram os que ela realmente desejava, mas que mesmo assim a salvou.
Os dias que se seguiram foram estranhos, procurando em outra boca os beijos dele, ora se punindo por ter-se deixado envolver, ora achando que ele era um covarde.

E como essa é uma historia de encontros, desencontros, interesses e decepções tem fim, ela acaba em um envelope com um anel de prata e uma carta, que não é nem de amor, nem de ódio, apenas um desabafo:

Estou devolvendo o seu anel, minhas mãos não suportam mais o peso dele,
Devolvendo suas belas palavras.
Devolvendo seus beijos, seu cheiro que estava impregnado na minha roupa.
Devolvendo suas risadas que ficaram ecoando na minha casa
Devolvendo as músicas que me lembram você
E todas as coisas que me levaram a acreditar que um dia você poderia ficar comigo.

Por favor, se der poderia devolver meu coração?


A insensatez já não mora aqui. Mudou-se.

sexta-feira, 11 de julho de 2008

Fim de noite


Eu não acreditava que um dia ruim podia ser salvo.
Eu sempre enganada...

Em qualquer fim de noite voce encontra um alguém
Que sabe exatamente o que dizer.
Belas palavras e
o sorriso mais bonito que pode ser visto.
*
*
Boa noite.
De verdade.
*
Ou não. (sorriso)

quarta-feira, 2 de julho de 2008

Antes que a morte nos separe


Antes que a morte nos separe eu quero estar inteira com você
Quero me ver refletida nos seus olhos
Quero passar mal de saudade
E quase morrer ao te encontrar
Rir sozinha só por estar ao seu lado
Chorar de alegria
Quero olhar a lua acima de nós e te beijar a noite inteira

Porque o que me atrai em você não tem nome
Mas é muito simples...

É o seu cheiro
Nossas risadas e conversas
Nosso jeito de fazer amor...
Nós temos bem mais em comum do que você quer acreditar
Nada é igual a como quando você me beijou pela primeira vez...
Estamos alem.
Eu não preciso de muita coisa eu só preciso existir na sua vida.
Não me importo de se estou dando mais do que tenho pra receber
O importante é que esse é o melhor de mim.

Eu espero que nunca amanheça...

terça-feira, 1 de julho de 2008

Eu existo pra você?



Do alto de um abismo vejo o mar.
- Se eu pular vou morrer?
- Não. Eu nunca ia deixar você se machucar.
- Não acredito, os super heróis nunca ficam com a mocinha no final, sabia?
- Estou com você agora não estou?
- Eu sei...Só não sei por quanto tempo.
- O céu está lindo...Quando estou com você o sol brilha mais. Tenho até medo de olhar. Li em algum lugar que caso o ritmo de expansão depois do Big Bang fosse uma fração de milésimo de segundo mais lento nosso planeta teria se cozinhado nas vizinhanças do sol, e hoje seria apenas uma pedra tórrida circulando o astro.
- Foi sorte grande.
- Uma fração de milésimo de segundo!
- Muita coisa pode acontecer nesse tempo, não é?

- Sawabona Superman...
- Então eu existo pra você...